Mona Lisa: o renascimento italiano

Nos movimentos artísticos que já existiram na história do homem e da arte, conseguimos analisar algumas evoluções e transformações na forma de organização expressiva das ideias e do fazer. O Renascimento Italiano contribuiu de forma significativa nesta busca por novas formas de expressão e do pensamento trazendo o renascer das ideias na valorização do ser humano e da natureza.

Os artistas do Renascimento expressaram a racionalidade traduzida no rigor cientifico, na experimentação, na observação da natureza e na dignidade humana. No Renascimento Italiano, um artista que se destaca é o Leonardo da Vinci, reconhecido como gênio universal, com estudos realizados em diversas áreas do conhecimento, sua grande notoriedade como pintor se traduz na produção do quadro mais popular da história da Arte: “A Mona Lisa”.

Alguns motivos na história contribuíram para a famosidade do quadro:

Em 1911 o quadro da Mona Lisa foi roubado do Louvre por Vincenzo Peruggia, um cidadão Italiano que desejava que o quadro retornasse para a cidade onde nasceu Leonardo da Vinci; porém, Vincenzo desconhecia o fato de que a Mona Lisa havia sido ofertada como presente ao rei Francisco I de França pelo próprio pintor.

Há pouca informação sobre a existência da Mona Lisa del Giocondo, esposa do comerciante Francisco Del Giocondo, no qual nunca recebeu a sua encomenda, pois o quadro não foi finalizado.

O quadro Mona Lisa já esteve em vários países como Estados Unidos, Japão, Rússia, e em cada lugar deixou registros históricos e universais, revelando a sua notoriedade nas mais de 100 paródias retratadas.

Seu sorriso enigmático é revelado com uma técnica de sfumato, que marca uma inovação na forma de pintar. A releitura do quadro da Mona Lisa participa com extremo destaque em outros movimentos na Arte como o Dadaísmo (Duchamp) e Pop Arte (Andy Warhol).

O fato é que existem inúmeras especulações ao redor do quadro abrigando uma história curiosa e fascinante.