Os poemas de Luís Vaz de Camões

O poeta, Luís Vaz de Camões é considerado o maior poeta português de todos os tempos. Sua lírica reúne elementos variados: temos a medida velha – redondilhos maiores (7 sílabas métricas), redondilhos menores (5 sílabas métricas) e a medida nova (versos decassílabos) utilizadas no período chamado pela literatura de Classicismo, porém alguns de seus sonetos já prenunciavam o estilo Barroco.

O eixo central da lírica camoniana é o amor concebido como uma força vital. Ele celebrou a beleza feminina, o prazer sensual e também sobre o amor espiritualizado, dito platônico. Além de poemas, Camões é autor de peças de teatro, canções e claro, sua obra prima: Os Lusíadas.

Os Lusíadas é um poema de gênero épico – poesia de tom elevado e heroico. O assunto é um grande episódio da conquista dos mares e o descobrimento do caminho para as Índias. A obra traz dez cantos (capítulos), cada canto possui 100 estrofes de 8 versos decassílabos com uma rima especial chamada oitava real.

Curiosidades:

  • Camões morreu no dia 10 de junho de 1580, em absoluta pobreza. Segundo alguns estudiosos, o poeta não tinha sequer um lençol para lhe servir de mortalha.

  • Em uma batalha contra os mouros, Camões foi ferido no olho e ficou cego. Há quem diga que o poeta perdeu a visão devido se envolver com mulheres.

  • Em Chiado, Lisboa, podemos encontrar um monumento a Camões que é o mais antigo de Lisboa dentro do seu gênero. A figura é de bronze e tem 4 metros de altura, assente sobre um pedestal octogonal rodeado por oito estátuas.

Frases de Camões:

  • “O fraco rei faz fraca a forte gente.”.

  • “Ah o amor... que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê.”.

  • “Coisas impossíveis, é melhor esquecê-las que desejá-las.”.

  • “Jamais haverá ano novo se continuar a copiar os erros dos anos velhos.”.

  • “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança”.

  • “Todo o mundo é composto de mudança, tomando sempre novas qualidades.”.